A equipe de fiscalização do CRMV-MG, apurou juntamente com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), um possível caso de maus-tratos em um abatedouro municipal, localizado na região central de Minas Gerais. Também esteve presente a Polícia Ambiental, além do Secretário de Desenvolvimento Rural do município e dois médicos-veterinários da prefeitura. Irregularidades foram identificadas no abatedouro, entre elas, problemas relacionados à estrutura e possíveis situações de maus tratos aos animais.

 

Bovinos seriam abatidos no momento da fiscalização, contudo, os fiscais não permitiram tendo em vista as condições precárias encontradas. “Encontramos um bastão de choque diretamente ligado no poste de rede elétrica. Achamos marretas (que não são mais permitidas como insensibilizadores), eles não possuíam a pistola pneumática, o piso onde os animais aguardavam não estava limpo e causava deslizamento dos bovinos, entre outros aspectos observados”, contou a fiscal do CRMV-MG que acompanhou o caso, dra. Fernanda Ciolfi. 

 

Aos fiscais, um dos médicos-veterinários do abatedouro, alegou ser responsável pelo serviço de inspeção municipal, entretanto, o segundo profissional disse que tal serviço ainda não existia ali.

 

Na ocasião, foi lavrado o auto de infração por parte do Conselho, solicitando o registro de RT e um termo de constatação com orientações passadas aos médicos-veterinários responsáveis. O CRMV-MG avalia ainda a conduta dos médicos-veterinários envolvidos e abertura de processo ético profissional. 

 

Pela Polícia ambiental foi lavrado o Auto de Infração, por não haver autorização ambiental de funcionamento vigente. Também foi aplicada a multa por poluição. O Ministério Público de Minas Gerais segue em apuração das possíveis ocorrências de maus-tratos e estrutura irregular