O abandono de animais é um problema recorrente nas cidades brasileiras. Ilegal, a prática aumenta o número de cães e gatos em situação de rua, assim como contribui para a proliferação de doenças como leishmaniose e esporotricose. Neste cenário, os médicos veterinários que atuam nos departamentos de zoonoses de prefeituras têm um trabalho primordial. Em Santa Luzia, a médica-veterinária dra. Viviane Moreira criou uma ferramenta inovadora para lidar com este cenário: um sistema de adoção de pets online.

“Pensamos em uma maneira de fazer com que as pessoas vissem que os animais estão esperando uma adoção, mas não somente nos dias de feira”, conta dra. Viviane. O sistema funciona dentro do site da Prefeitura de Santa Luzia, que publica fotos e informações dos animais disponíveis para adoção, como idade, porte e sexo. Os interessados devem preencher um formulário, informando nome, dados para contato, nome do animal que deseja adotar e o motivo da adoção. A Prefeitura faz um cadastramento e inicia o contato com os interessados.

Dra. Viviane conta que a criação deste recurso foi de suma importância para o controle populacional de animais na cidade. “A iniciativa tornou possível retirarmos um maior número de animais das ruas e destiná-los a um lar responsável, diminuindo assim a reprodução indesejada e uma menor possibilidade de contraírem doenças de relevância em Saúde Pública”, explica a médica-veterinária.

Antes de serem adotados, os animais resgatados passam por um criterioso exame clínico assim que chegam ao canil municipal. “Os animais soronegativos são vermifugados e medicados, caso seja diagnosticada alguma patologia, e alimentados adequadamente. São realizados banhos periódicos e separados em baias específicas para filhotes, machos e fêmeas. Quando necessário ficam em quarentena em baias pré-determinadas”, conta dra. Viviane.

O Departamento de Zoonoses da Prefeitura conta hoje com duas médicas-veterinárias, além de agentes de endemias e administrativos, educadora em saúde, supervisores de campo, bioquímica, laboratoristas e bióloga. “Minhas ações consistem na coordenação técnica de todo o Departamento, em todos os programas contemplados pelo mesmo, como o Programa da Dengue e demais arboviroses, leishmaniose visceral canina, Doença de Chagas, Controle de Animais Peçonhentos e Controle de Roedores. Realizo capacitações periódicas dos funcionários e acompanho de perto o desempenho dos agentes”, conta dra. Viviane.

Dra. Viviane conta ainda que pretende introduzir um projeto de castração no município. “Estamos trabalhando com três possibilidades: um castramóvel disponibilizado através de uma emenda parlamentar, uma parceria com a UFMG (Projeto AGHA) e um projeto de parceria com clínicas veterinárias do município”, explana.