Até 20 de fevereiro, os abatedouros de aves podem se manifestar sobre os formulários de “Boletim Sanitário (BS)” e de “Controle de mortalidade e recebimento das aves para abate” que estão em consulta pública. Os documentos especificam e padronizam os autocontroles para recebimento e verificação da documentação de trânsito das aves, que deverão ser apresentados ao Serviço de Inspeção Federal (SIF). A ideia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) é padronizar os documentos e estabelecer as informações mínimas necessárias ao SIF para a realização das inspeções antes e após o abate das aves.

 

Na proposta submetida à consulta pública, para emissão do BS, o médico-veterinário responsável pelo controle sanitário do estabelecimento avícola deverá fazer a avaliação do histórico do lote de abate (inclusive dos resultados das avaliações clínicas e laboratoriais), definir a metodologia, a amostragem e a frequência das avaliações técnicas (segundo normas nacionais e internacionais), bem como os exames clínicos que embasarão o boletim.

 

Cabe ainda ao médico-veterinário da granja, notificar os Serviços Veterinários Estaduais quando a mortalidade na granja violar o percentual previsto pelo Departamento de Saúde Animal para a notificação de suspeita de ocorrência de influenza aviária ou doença de Newcastle, considerando a espécie e a categoria das aves.

 

Com informações da Assessoria de Comunicação do CFMV