No dia 20 de novembro o CRMV-MG recebeu a triste notícia de que o professor Nivaldo da Silva havia falecido. Ele estava hospitalizado desde o dia 07 de outubro, quando sofreu um acidente. Além de ter sido um profissional referência, foi também um grande homem. Sua perda teve impacto para aqueles que tiveram a oportunidade de conhecê-lo.

 

Prof. Nivaldo, como gostava de ser chamado, nasceu no dia 09 de janeiro de 1951, em Belo Horizonte (MG). Formou-se em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1973, onde também fez o mestrado em 1977. Já na década de 1990, cursou mestrado em Biotecnologia na Universidad Autonoma e doutorado em Patologia Infecciosa pela Universidad Complutense, ambas em Madri, na Espanha.

 

Iniciou suas atividades como médico veterinário na Cooperativa de Produtores Rurais de São Domingos do Prata (MG), em 1973. Já em 1974 passou a atuar na Embrapa, como pesquisador. Mas foi na Escola de Veterinária da UFMG que consolidou sua trajetória profissional a partir de 1977, tendo integrado por mais de 40 anos o corpo docente da instituição, no Departamento de Medicina Veterinária Preventiva. Com experiência na área de Medicina Veterinária e da Biotecnologia Aplicada à Medicina Veterinária, contribuiu para a formação de mais de 4.500 alunos e dezenas são os artigos científicos publicados em revistas nacionais e internacionais.

 

Esteve à frente do CRMV-MG por mais de uma década, tendo ingressado em 2006, como vice-presidente. Na sequência ocupou o cargo de presidente por três períodos: 2009/2012, 2012/2015 e 2015/2018. Presidiu o Conselho até 15 de novembro de 2017, quando afastou-se para assumir o cargo de secretário-geral do Conselho Federal de Medicina Veterinária. Em Minas, sua gestão foi marcada pela modernização e o avanço do Conselho, pela ampliação do Programa de Educação Continuada e pela intensificação das ações de valorização profissional e em prol do exercício legal da profissão. Prof. Nivaldo referia-se ao CRMV-MG como “a casa do médico veterinário e do zootecnista”, à qual ele se dedicava.

 

Como reconhecimento à sua carreira, entre outras homenagens, em 2016 recebeu a Comenda Antônio Secundino de São José, honraria concedida pelo governo de Minas Gerais aos que contribuíram para o desenvolvimento do agronegócio do estado. 

 

Na vida pessoal, era dedicado à família, tendo seus quatro filhos e os três netos sempre por perto.

 

Falar do prof. Nivaldo no passado é difícil e soa estranho. É triste referir-se assim a um homem que parecia ter ainda muitas páginas a escrever no livro da vida. O conforto para o coração daqueles que o admiravam é aceitar que “tudo tem seu tempo”.  Ficam o respeito, as lembranças e a saudade.


Missa de Sétimo Dia

Data: 26/11/18 (Segunda)

Horário: 19 horas

Local: Igreja Santa Catarina Labouré - Praça Santa Catarina Labouré, s/n. Bairro Dona Clara. Belo Horizonte - MG.


Ao longo dos últimos dias, o CRMV-MG recebeu diversas manifestações de pessoas que lamentaram o falecimento do prof. Nivaldo:

Uma perda lamentável. Nos deixou grandes ensinamentos”

 

Que Deus o tenha Dr. Nivaldo.... Tive o prazer em receber meu registro de suas mãos...”

 

Perdemos um colega, um amigo e a Medicina Veterinária perde um lutador!”

 

Que pesar! Grande profissional. Divertido, ético, uma grande perda no nosso meio” 

 

“Lamentamos a morte deste grande professor e batalhador pela Medicina Veterinária e Zootecnia”

 

Lamentável notícia. O prof. Nivaldo era um homem de excelente coração. Perde toda a comunidade científica e, principalmente, a Medicina Veterinária”

 

“Quando perdemos um grande Mestre, nos sentimos órfãos! Foi além...me delegou funções que talvez eu não conseguisse cumprir se não estivesse ao seu lado!”

 

Professor Nivaldo, você cumpriu a sua missão brilhantemente aqui entre nós. Lamento o ocorrido e o que me resta agora é a saudade e as boas lembranças”

 

A Medicina Veterinária brasileira perde um de seus o ícones”

 

“A Medicina Veterinária está de luto. Perdemos uma grande pessoa e um excelente profissional. Marcou minha vida!”